Desde que a janela partidária começou oficialmente, no dia 8 de março, pelo menos 38 deputados já trocaram de partido, aponta levantamento do Congresso em Foco atualizado até a última terça-feira (27). Em ano eleitoral, pelo menos outros sete parlamentares avaliam uma mudança de sigla e adiam a decisão para os últimos dias. Segundo a legislação vigente, os parlamentares podem aderir ao troca-troca de partidário sem o risco de perder o mandato entre os dias 8 de março e 7 de abril.

Na prática, o que o levantamento revela, em sintonia com a dinâmica que este site tem verificado na janela partidária, é que são quase duas trocas de partido por dia desde que o prazo foi aberto. E, a depender da velocidade das negociações, que apresenta a combinação entre potencial de votos e recursos do fundo partidário, essa média pode até aumentar nos próximos dias.

Apesar de ainda não ter contabilizado nenhuma nova saída desde a semana passada, o MDB continua sendo o partido com maior número de baixas, com sete perdas – oito, incluindo Laura Carneiro (DEM-RJ), que se desfiliou antes mesmo do início da janela.

Na via oposta, a legenda anuncia o reforço do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em seus quadros. Atualmente filiado ao PSD, Meirelles e Michel Temer (MDB) têm avaliada a possibilidade de uma chapa puro-sangue na corrida presidencial. A filiação do novo emedebista está marcada para a próxima terça-feira (3/abr).

Entre as bancadas estaduais, a carioca, impulsionada pelas sete debandadas do MBD, lidera o ranking de desfiliações. São, até o momento, 10 deputados trocando de partido.

Presidenciáveis aumentam bancadas

Na intenção de impulsionar a campanha de Jair Bolsonaro (RJ), o nanico PSL é a sigla que mais cresceu até o momento, com nove deputados recém-chegados ou de malas prontas.

Entretanto, com a chegada de Bolsonaro e seus apoiadores, o PSL perde dois dos três nomes que já tinha na Casa: a mineira Dâmina Pereira já está de mudança para o Podemos, enquanto Alfredo Kaefer (PR) ainda avalia a qual sigla se filiará. Victório Galli (PSC-MT) ainda não confirmou suas filiações até a última atualização deste levantamento.

Já o Democratas, partido do presidente da Câmara e pré-candidato à Presidência da República, Rodrigo Maia (RJ), é o segundo partido que mais ganhou deputados, com sete novos nomes. O aumento das fileiras do DEM também pode impulsionar a campanha de Maia ao criar palanques em diferentes estados e aumentar a força política dentro da Casa.

Quem ainda avalia se fechará com a sigla é o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), que ganhou projeção ao relatar a reforma da Previdência.

Com informações e imagem do Congresso em Foco

Notícias correlatas:

Partidos fazem balcão de negócio para atrair novos deputados

Com negociação de dinheiro e tempo de TV, Câmara terá mês de “feira livre” com trocas partidárias

Meirelles confirma filiação ao MDB, mas decisão sobre candidatura fica para semana que vem

Ao menos metade dos deputados do MDB do Rio sinaliza desfiliação em meio a desgaste da sigla

img advertisement
img advertisement
img advertisement